DHEAUSA.COM


Français


English


Русский


Español


Português


Deutsch


Italiano


Swedish


Dutch


日本語
 
 
Merchant Services

     
 

Página principal

 
 

Contato

 
 

Termos e condições

 
 

Formulário seguro
de compra

 
 

- - -  Produtos  - - -

 
 

DHEA

 
 

Melatonina

 
 

Symbiotropin

 
 

Meditropin

 
 

Testron SX

 
 

ProDHEA Creme

 
 

Creme de Melatonina

 
 

ProGen Creme

 
 

Glucosamina e Condroitina

 
 

-  Informação  -

 
 

Benefícios de DHEA

 
 

Qualidade

 
 

A história do DHEA

 
 

Comentários dos pacientes

 
 

Testemunhos dos doutores

 
     

 

Diabetes


A diminuição do DHEA-S está associado com o desenvolvimento da diabetes tipo 2.

DHEA parece aumentar a sensibilidade insulínica. A resistência insulínica é um indicador precoce da diabetes tipo 2, e está estreitamente associado com a obesidade, que são os fatores de risco principais para doença cardíaca.

Entre as mulheres com deficiência das glândulas adrenais, o suplemento do DHEA foi demonstrado em aumentar significantemente a sensibilidade insulínica. O DHEA pode ser um tratamento valioso para diabetes tipo 2. O DHEA também tem mostrado aumentar a sensibilidade insulínica em mulheres obesas.

 

Estudos Clínicos

  • Em 1993, um estudo relatado em uma mulher de 15 anos com diabetes tipo 2. O C. Buffington e seus colegas de
    trabalho relataram que 150 mg, duas vezes ao dia, de DHEA conduziram a uma melhora na sensibilidade insulínica. Isto foi determinado através de uma redução acima de 30% pelo um teste do nível de insulina em jejum e a tolerância oral da glicose, uma estimulação tripla do desaparecimento da taxa de glicose com a insulina intravenosa, e um aumento de 30% na ligação da insulina. Este estudo concluiu que o DHEA melhorou a sensibilidade insulínica e também o estado diabético.
     

  • Departamento de Pesquisa da Medicina e Oncologia, Setor de Patologia Geral, Universidade de Turin, em Turin, Itália.
    O estresse oxidativo tem um papel crucial na patologia das complicações da diabetes crônica. Camundongos diabéticos, normoglicêmicos e estreptozotocina, foram tratados com 4 mg/dia por camundongo durante três semanas. No final do tratamento, o hydroxynonenal , ácido hydroperoxyeicosatetraenoic, os níveis anti-oxidantes, assim como a atividade Na/K-ATPase e, a membrana da composição de ácidos graxos foram avaliados nos rins homogeneizados. A hiperglicemia crônica causou um aumento nos produtos de percurso dos hydroxynonenal e lipoxigenase, e uma diminuição nos níveis de GSH e na atividade Na/K-ATPase na membrana. O tratamento com DHEA restaurou os níveis anti-oxidantes muito semelhantes ao valor de controle, e reduziu consideravelmente os níveis ácidos do hydroxynonenal e hydroperoxyeicosatetraenoic. Além disso, o DHEA neutralizou o efeito prejudicial da hiperglicemia na função da membrana: diminuição da atividade Na/K-ATPase em animais diabéticos foi inibida significantemente pelo tratamento com DHEA. Estes resultados mostram que o DHEA reduz o estresse oxidativo e consequentemente aumenta os produtos do percurso da lipoxigenase induzidos pela diabetes experimental nos rins de camundongos; e também sugerem que, ao reduzir a resposta inflamatório causada pelo estresse oxidativo, o tratamento com DHEA pode atrasar a progressão da doença renal diabética.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




  Copyright 2001- 2017 © DHEAUSA.COM   All rights reserved.